terça-feira, julho 12, 2005

Eu já dei dinheiro para isso!

Os portugueses já começam a ficar calejados naquelas histórias de "Dê um dinheirinho para uma sandezinha" ou "Isto é para a associação de bombeiros voluntários e forçados!" ou ... Os exemplos são inúmeros.

Eu próprio já tenho vai para mais duma dúzia delas! - !!Clic!!
Repare-se:
Estava eu em casa descansadinho quando um tóxico-dependente me bate à porta de casa (8º andar) a dizer que vinha pedir para a associação nacional de tóxico-dependentes. Ainda ele não tinha acabado de dizer a sigla já eu tinha respondido "JDDPI"!
E ele - O que?
E eu - JDDPI... Já Dei Dinheiro Para Isso!
Eram 21h30 da noite. Ora eu conheço muito boa gente que já está na cama há mais de 2 horas a essa hora...
Escusado será dizer que ainda obtive uma boa meia hora de conversa com o senhor que até era simpático (enfim... todos temos defeitos).

Na covilhã também me tentaram burlar mas... o intelecto é, por vezes, um abismo autêntico.
Na rua da Telepizza existem agora parquimetros (e outros insectos que não específico para não ferir sensibilidades). Ora, como bom português que sou, não posso ligar a essas máquinas papa moedas logo no primeiro instante. É preciso dar-lhes estabilidade no local (para falar a verdade não sabia ainda que lá estavam... :S). Não comprei, por isso, nenhum ticket de tempo para o veículo.
Quando volto, reparo num homemzinho a escrever um papelinho que estendeu na minha direcção quando me viu:
- Ainda bem que já aí vem!
E eu - Ahhhh????? Eu JDDPI!!

Meti-me dentro do carro e arranquei:
-FUI!

Só algum tempo depois se me aclararam as ideias...

2 comentários:

Susy disse...

LOL

Bem... Eu normamelnte deixo os ditos senhores falarem, falarem, falarem, para no fim lhes dizer: "Desculpe lá, até ajudava mas estou sem dinheiro..."

Mas há uns diasitos, estava eu em Coimbra numa esplanada com uma amiga, quando um simpático senhor que se intitulava toxicodependente se dirigiu a nós com a cantilena de sempre. Nós caladinhas que nem um rato, ouvimos tudo mas no fim nada lhe dissemos. Resumindo e concluindo, o dito senhor enervou-se e foi-se embora enquanto balbuciava em altos berros as seguintes palavras: "Ainda dizem que os estudantes são cultos... Cambada de ignorantes... Labregos..."
No fim, as pessoas todas a olhar para nós e nós incrédulas com a atitude de um senhor inicialmente tão simpático.

Moral da história:
Não sei... Nunca cheguei a perceber o que foi que nós fizemos para tamanha injúria.

:D

Petrucci disse...

antes de mais, não posso deixar de referiri a forma, extraordináriamente simpática com que vocês expõeem (senti dificuldades em escrever esta palavra, não sei se esta bem... :s) esta situação...

Realmente, também não é a primeira, nem será a última vez que me batem à porta, mas eu acabo sempre por dizer: "- a minha mãe agora não está!", rementendo assim toda a situação para quem gere o dinheiro lá em casa...

Mas falando em situações caricatas, falovos de uma que me aconteceu no bar principal da UBI, sim, dentro deste estabelecimento de respeito e bons costumes...

Esteva eu descansado, a tomar o meu cafézito da hora de almoço, quando me aparece um senhor, que corresponde ás vossas descrições, e me dá um autocolante, que nem tempo tive de ver, pois quando ele estica a outra mão, apercebi-me que me estava a pedir algo, que ao qual, o meu olhar lhe deve ter respondido...nem pensou, num movimento tão rápido como a sombra do próprio Lucky luck, tirou-me tudo da mão e voltou-se, dirigindo-se à próxima capelinha ...escusado ser´dizer, que durante este tempo todo, eu não exprimi um som, um palavra...e se quieto estava com a mão para receber o dito autocolante, assim fiquei...

Bem...assim é, cada um luta pelos seus objectivos, sendo mais reais ou honestos...ou não, depende de todos nós saber como e onde queremos ver os nossos bem investidos...

P.S: como é?vamos dar o salto