quarta-feira, junho 15, 2005

serafim saudade

Gostaria de fazer uma leve alusão à notória ausência de algums elementos da liga e dos visitantes, e aproveito para deixar aqui um post porque sei que assim ninguém vai ligar à estupidez sem sentido que aqui vou colocar.
Após esta frase senti uma leveza e liberdade em mim dificeis de explicar.

Ora, aqui fica um dos meus dilemas existênciais, que vos vou apresentar na forma de parábola...

Estava eu num bar, e dou comigo pasmado a reparar nos balanços dos corpos ao som da música, quando reparo que alguns se movem como as árvores, movendo os braços bem alto como se o vento lhes estivesse a tocar, outros como se estivessem dentro do mar e levar com as ondas...outros parecia que tinham sio atropelados...e agora os mais interessantes, os que se agarram ao instrumento, como o Óscar (agora sei que todos vós vão, com um ar de exclamação pensar : "lá está este ordinário!" )...ao que me refiro é aos instrumentos musicais, tais como guitarras, baterias...etc...

Agora sim o dilema, será que essa gente não sabe dançar, ou é pessoal que percebe de música e tá a sacar os acordes?

PS: aproveito para deixar um grande abraço aqueles que sabem quem são...aos outros aconselho um psicologo...e ao grande Óscar!

:D

10 comentários:

thirdeye disse...

Ás vezes acontece o mesmo comigo. Não, não estou a sacar os acordes da música. Acho que deve ser a única oportunidade em que podemos imaginar que somos grandes músicos. Em nenhum outro momento estamos a ouvir aquela música tão alto e rodeados de tanta gente. Faz-nos sentir os verdadeiros autores da música. Como num concerto. Mas que é uma figura rídicula, lá isso é.

monstro disse...

Eu começei a achar que não há nada de ridículo em sermos nós mesmos. Nós fazemos o ridículo dos outros...

Só é ridículo de nascença o que nasce sem moral ou ética... o que vai contra todos os valores de uma civilização. Estou a ser o mais abrangente possível.

monstro disse...

Esqueci-me de dizer que:
1º Portanto discordo de ti ;) em parte.
2º Concordo em deixar um abraço!
Login...

Petrucci disse...

mas o que vem a ser isto?
HÃ?
vamos lá a ver, não nos vamos chatear por uns meros 5 tostões, HÃ?

Agora também eu faço parte desse mundo imaginário das bandas "Pimba"...

eh eh eh

O mais recente baixista, contratado para tocar em casamentos e arraiais...e por isso, e para praticar, também eu danço empunhando o instrumento

:D

thirdeye disse...

Sim, sem dúvida. Se nos libertamos dos pré-conceitos, então nada é ridículo. O Prof. Vitória costumava dizer que não há perguntas estúpidas, tal como não há comportamentos ridículos. Questiono-me, todavia, se seremos capazes de atigir essa supremacia intelectual.

Petrucci disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Falo por mim... que sou modesto... que sou capaz :P.

Mas por dizer tal coisa descaradamente não vou fazer login para que não me reconheçam...

João Gomes disse...

Acabas de provar que não és capaz.
Repara:

"Sim, sem dúvida. Se nos libertamos dos pré-conceitos, então nada é ridículo. O Prof. Vitória costumava dizer que não há perguntas estúpidas, tal como não há comportamentos ridículos. Questiono-me, todavia, se seremos capazes de atigir essa supremacia intelectual."

E tu disseste:

"Mas por dizer tal coisa descaradamente não vou fazer login para que não me reconheçam..."

Estás preocupado com o que possam pensar de ti... ou seja não és capaz de atingir essa tal supremacia intelectual.

O teu pensamento falhou logo à nascença.
Agora a única solução que te resta é dizeres que era precisamente uma piada! :D
Pensa nissa... se eu fosse a ti identificava-me e dizia que era uma piada que eu não fui capaz de identificar imediatamente...

P.S. - Deixa-me que te diga que, se de facto era uma piada, era muito fraquinha...

:D

monstro disse...

Mais do que uma piada, direi que foi mesmo "para ver se vos apanhava!" :P.

E não me vou identificar novamente, a não ser que faça login e publicar sem querer...

Anónimo disse...

ups...